18 setembro 2008

Tão estranho.

'Tá tudo tão estranho
O cheiro de cigarro sumiu
A minha esperança, tadinha, se esvaiu
E até a sua foto perdeu a cor

'Tá tudo tão estranho
Era comum te encontrar por aí
E, do nada, começar a rir
Achando graça do seu jeito de homem

'Tá tudo tão estranho
Não vejo mais seu tênis de mauricinho
Nem seu cabelo despenteado, nem um pouquinho
Muito menos seu timbre tão ensaiado

'Tá tudo tão estranho
E agora eu me pego pensando
Caindo naquele velho clichê
"Não sei mais viver sem você"

Não há sorriso
mais bonito que o seu
Nem amor maior que o meu
E, nunca, algo pra comparar
Mas 'tá tudo tão estranho, sei lá.

5 comentários:

Emi ;D disse...

Lindo texto Mariii*----*

(L)²

Emanuel disse...

Gostei muito do primeiro Mari. Uma mistura de palavras bastante diferente, como se fosse um tempero ou algo assim. Gosto dos seus poemas, são bem diferentes do normal, por isso que eu gosto.

Amo-te <3
Raiga.

Psy disse...

ta mto foda *-*
gostei mesmo.

Baal disse...

Nada a comentar Mari.

Está Lindo, e perfeito. (L)

Já pensou em lançar um livro?

Alucard Mondmarttre disse...

gostei sim!
muito inspirado e eu acho q entendi a menssagem.